Abrir sesión | Regístrese | ¿Olvidó su contraseña? | Contacto | English |
Email: Clave:

Medwave se preocupa por su privacidad y la seguridad de sus datos personales.
Para poder enviarle a su dirección de correo electrónico su contraseña, es necesario que ingrese su e-mail.


Estudios originales
Medwave 2010 Ago-Sep;10(8):e4704 doi: 10.5867/medwave.2010.08.4704
Índice de valorização da gestão em saúde: metodologia de alocação de recursos financeiros aos estados brasileiros
Aquilas Mendes, Marcel Guedes Leite, Rosa Marques
Descargar PDF |
Para Descargar PDF debe Abrir sesión.
Imprimir | A(+) A(-) | Lectura fácil

Palabras clave: alocação de recursos em saúde e sistemas de pagamento provedor, avaliação da gestão

Introducción

O estudo apresenta o desenvolvimento de uma metodologia de alocação dos recursos federais que responda a uma avaliação dos esforços dos estados brasileiros, com base no cumprimento dos objetivos, prioridades e metas do Pacto pela Saúde, o qual coloca para a gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) o compromisso de um conjunto de responsabilidades sanitárias.

Métodos

A proposta de transferências de recursos federais aos estados, segundo a valorização de Desempenho em Saúde, considera que o repasse financeiro deve ser integral e distribuído a todos os estados, de acordo com a análise dos indicadores selecionados do Pacto pela Saúde, conforme o esforço empreendido à esse Pacto por eles. O repasse deve ser proporcional ao desempenho realizado. A metodologia adotada para valorização do Pacto pela Saúde abrange a pactuação das prioridades, objetivos e metas do Pacto pela Vida, bem como as responsabilidades firmadas nos Termos de Compromisso de Gestão, segundo os indicadores nelas estabelecidos, conforme o Pacto de Gestão, os quais contemplam o Pacto pela Vida.

A avaliação dos esforços dos estados no cumprimento do Pacto pela Saúde é realizada mediante a criação e utilização do Índice de Valorização da Gestão em Saúde (IVG), composto por dois índices associados à valorização desse Pacto: o Índice de Valorização do Pacto de Gestão (IVPG) e o Índice de Valorização do Pacto pela Vida (IVPV).

O IVPG apóia-se nos sete eixos propostos pelo Pacto de Gestão (responsabilidades gerais na gestão do SUS; regionalização; planejamento e programação; regulação, controle, avaliação e auditoria; gestão do trabalho; educação na saúde; e participação e controle social), de forma a contemplar indicadores descritivos do esforço alcançado pelos estados no âmbito da gestão. O IVPV apóia-se nas prioridades estabelecidas no Pacto pela Vida, identificadas por meio de indicadores de processo e de resultado, capazes de produzir impacto sobre a situação de saúde da população brasileira, conforme as prioridades: Controle do câncer do colo do útero e da mama; redução da mortalidade infantil e materna; Fortalecimento da capacidade de resposta às doenças emergentes e endemias; e Fortalecimento da Atenção Básica.

Resultados

O cálculo final do Índice de Valorização da Gestão em Saúde (IVG) decorre da média aritmética simples do IVPG e do IVPV, os quais apresentam informações referentes a 2008 e foram obtidos por meio do cálculo do índice bruto que corresponde à média simples dos indicadores contemplados; seguido pelo cálculo da participação do índice bruto de cada Estado no total dos índices brutos do País; corrigida, por sua vez, pela população de cada estado.

Discusión/Conclusiones

A aplicação do Índice de Valorização de Desempenho em Saúde sobre o total de recursos disponíveis, que em 2009 e em 2010 estão estimados em R$ 113.576.227,50 (aproximadamente US$ 67 milhões) a serem transferidos aos estados de segundo valor per capita igual para iguais desempenhos.

A proposta propõe que os estados que apresentaram melhor resultados na gestão sanitária, em 2008, com base no Pacto de Gestão do SUS, deverão receber maiores valores per capitas, de forma a aprimorar sua capacidade de gestão sanitária.

Bibliografía

  1. BRASIL. Portaria GM/MS nº 399, de 22 DE fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-399.htm
  2. BRASIL. Portaria GM/MS nº. 699, de 30 de março de 2006. Conforma um conjunto de mudanças articuladas em três dimensões: em Defesa do SUS, pela Vida e de Gestão. Em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-399.htm
  3. MENDES, Aquilas; GUEDES, Marcel; MARQUES, Rosa. Documento sobre as bases fundamentais para a construção de metodologias de alocação de recursos federais a estados e municípios, segundo a valorização da gestão descentralizada do SUS. Brasília, 2009. mimeo.

Licencia Creative Commons Esta obra de Medwave está bajo una licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 3.0 Unported. Esta licencia permite el uso, distribución y reproducción del artículo en cualquier medio, siempre y cuando se otorgue el crédito correspondiente al autor del artículo y al medio en que se publica, en este caso, Medwave.

 

Autores: Aquilas Mendes[1], Marcel Guedes Leite[1], Rosa Marques[1]

Filiación:
[1] Economistas, PUC-SP, Sao Paolo, Brasil.

Citación: Mendes A, Guedes M, Marques R. . Medwave 2010 Ago-Sep;10(8):e4704 doi: 10.5867/medwave.2010.08.4704

Fecha de publicación: 1/8/2010

Origen: resumen presentado en Congreso AES 2010

Comentarios (0)

Nos complace que usted tenga interés en comentar uno de nuestros artículos. Su comentario será publicado inmediatamente. No obstante, Medwave se reserva el derecho a eliminarlo posteriormente si la dirección editorial considera que su comentario es: ofensivo en algún sentido, irrelevante, trivial, contiene errores de lenguaje, contiene arengas políticas, obedece a fines comerciales, contiene datos de alguna persona en particular, o sugiere cambios en el manejo de pacientes que no hayan sido publicados previamente en alguna revista con revisión por pares.

Aún no hay comentarios en este artículo.


Para comentar debe iniciar sesión

Medwave publica las vistas HTML y descargas PDF por artículo, junto con otras métricas de redes sociales.

Se puede producir un retraso de 48 horas en la actualización de las estadísticas.